Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Bikes de desejo atraem cada vez mais adpetos entre os brasileiros


Quadro e guidão fabricados pela Tre3e, com roda de carbono superleve. Preço estimado do modelo: R$ 5 mil




Quadro e guidão fabricados pela Tre3e, com roda de carbono superleve. Preço estimado do modelo: R$ 5 mil






Bikes de desejo atraem cada vez mais adpetos entre os brasileiros

Bicicletas customizadas e produzidas de maneira artesanal ganham a “cara” do dono e podem custar até R$ 20 mil



Em estilo vintage, com quadro personalizado e até sem marchas, as bicicletas customizadas têm cada vez mais adeptos entre os brasileiros. Montadas em oficinas artesanais, muitas vezes com peças e componentes importados, as magrelas remetem ao passado, mas agradam também aos moderninhos. “Para dar um destaque, o legal é voltar às origens, simplificar tudo, mas fazer uma combinação bonita de cores e uma boa seleção de componentes”, afirma Flavio Nonato, diretor da Tre3e, oficina de customização de bicicletas e construção de quadros em São Paulo.
O primeiro passo é captar o gosto e as necessidades de cada cliente, que pode personalizar os componentes, como rodas, aros, bancos, pneus e quadros nas cores e modelos que preferir. Depois, as medidas do ciclista são tiradas para verificar a altura do guidão e outros detalhes para deixar a bike o mais confortável possível.
O framebuilder Klaus Poloni, que atua no interior de São Paulo, diz que, geralmente, o público que procura as bikes customizadas tem maior experiência no ciclismo, já testou todo tipo de equipamento e chega com uma ideia formada do que quer. “Normalmente, os clientes desejam resgatar as emoções da adolescência”, diz ele. Por conta disso, Poloni explica que a maior exigência é mesmo um quadro sob medida, mas que nem sempre é o mais leve ou o mais tecnológico, mas, sim, que tenha aquela nostalgia, aquele sentimento de liberdade da infância.
No caso da oficina dele, localizada em Pedreira, os quadros são feitos de aço inox, com tubos bem finos – remetendo às magrelas do passado. “Elas são mais finas, limpas, não têm um grafismo maluco, mas são muito confortáveis e silenciosas”, explica Poloni.
Outro material bastante utilizado na produção dos quadros é o cromoly, um tipo de ferro importado da Itália e da Inglaterra. “Nosso quadro top, por exemplo, é de ferro, mas é mais leve que o quadro de alumínio”, diz Flavio Nonato.
Como a maioria dos clientes é mais experiente, geralmente pede para confeccionar uma bike sem marchas e de catraca fixa, ou seja, que não possui freio - a frenagem é feita pela ação de contrapedal do ciclista.
Para os iniciantes, o freio pode ser introduzido na bicicleta, que também pode contar com um tubo com marchas internas com oito velocidades. “Neste caso, fazemos uma bike polivalente, que sobe morros e tal, mas não é limpa como a bike de catraca fixa”, diz Poloni.
Todos os componentes podem variar de acordo com o gosto do cliente. Os bancos, por exemplo, contam com modelos de couro feito à mão e que se moldam ao corpo do ciclista, proporcionando maior conforto. Já as rodas podem ser de aros de madeira italianos, que dão um charme especial à bike, além de maior leveza e conforto para pedalar.
Por conta desta diversidade de escolha, os preços podem variar bastante e chegar a até R$ 20 mil. Dependendo da customização escolhida, a bike pode levar de três meses a um ano para ser fabricada. “É um processo extremamente delicado, toma tempo, pois é muito artesanal”, explica Poloni.

Nenhum comentário:

Postar um comentário