Ocorreu um erro neste gadget

domingo, 29 de janeiro de 2012

Indústria de bicicletas se recupera com apelo da saúde


Empresas do PIM produzem 22% a mais e Caloi vai investir R$ 6 milhões.
 Manaus - Oforte apelo ambiental e a saudável troca do carro por uma ‘pedalada’ tem ajudado a indústria de bicicletas. A produção de janeiro a novembro de 2011 superou em 20,7% a fabricação de todo o ano anterior. Líder do segmento no Brasil, a Caloi confirmou que irá investir R$ 6 milhões, em 2012, somente na unidade do Polo Industrial de Manaus (PIM). 
“O investimento será em máquinas para a melhoria da qualidade e do aumento da capacidade produtiva da unidade de Manaus”, anuncia o presidente da empresa, Eduardo Musa.  O montante faz parte do plano de investir R$ 30 milhões em cinco anos, iniciado em 2008.
A projeção da Caloi é  faturar  R$ 325 milhões em 2012. O valor é 17% superior ao obtido em 2011, que chegou a R$ 270 milhões. O incremento nas vendas do ano passado foi de 30% em comparação a 2010, quando a empresa faturou R$ R$ 210 milhões. 
A produção da empresa chegou à marca de 1 milhão de bicicletas em 2011, dentro das previsões da companhia, e  representou um aumento de 25% em relação ao ano anterior. Em 2010, as fábricas da marca instaladas no PIM e em Atibaia (SP) produziram 800 mil unidades. “Em 2012, a intenção é superar em 20% a produção de bicicletas”, disse Musa.
Novos produtores 
Além da Caloi, a Ox Bicicletas da Amazônia e a Prince Bike também compõem o polo de bicicletas em Manaus, que será ampliado com a chegada da Bike Norte’. A nova empresa está ligada à Bike Nordeste, com sede no Piauí, que fabrica a marca ‘Houston’. A empresa está em fase de implantação, segundo a assessoria da Suframa.
De acordo com o supervisor de produção da Sundown, Geraldo Oliveira, a empresa deve retomar a produção de bicicletas a partir do segundo semestre desse ano. Há dois anos, a fábrica parou essa linha de produção na unidade de Manaus. “Com a troca de dono da empresa, houve uma parada na fabricação de bicicletas para focar no investimento de motos”, disse.
No comércio de Manaus, as vendas de bicicletas em 2011 foram positivas. A rede A Ciclista, formada por cinco unidades, obteve incremento de 25% ano passado em relação a 2010. “Queremos repetir o mesmo volume em 2012, motivado pelo apelo da comunidade manauara por lazer e saúde”, disse o proprietário das lojas, Yuri Azevedo. 
Quem foca os negócios nas marcas nacionais teve que lidar com a forte concorrência das importadas. “Tem gente que prefere pagar de R$ 200 a R$ 250 por uma importada do que R$ 350 ou R$ 400 por uma nacional”, comentou o proprietário da Ciclo Bike, Guilherme Souza. A expectativa é crescer 20% em 2012 comparando ao ano passado.
Pedala Manaus
Diretamente a esses números está o crescimento de movimentos de ciclistas, como o ‘Pedala Manaus’, um grupo de pessoas que se reúne para pedalar juntos pela cidade. Nos dois dias de atividades, terça e quinta-feira, o movimento chega a reunir, em média, 350 pessoas, segundo um dos organizadores, Ricardo Romero. Regras do grupo, como exigência de equipamento de segurança e bicicleta em plenas condições de funcionamento, também estimulam os negócios no setor de bikes.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário