Ocorreu um erro neste gadget

domingo, 2 de outubro de 2011

Bicicletas públicas gratuitas em Buenos Aires, um sucesso


Uma ótima notícia vem da agradável e sempre acolhedora Buenos Aires. Segundo reportagem do "La Nación", do Chile,cresceu 107% na capital argentina, no último ano, a quantidade de gente que utiliza a bicicleta na cidade. São 36 mil diariamente. O resultado foi apurado num levantamento feito pela Prefeitura com a Faculdade de Arquitetura, Desenho e Urbanismo da Universidade de Buenos Aires. Outro dado: cerca deduas mil pessoas usam por dia as bicicletas públicas gratuitas.

Nos últimos 18 meses Buenos Aires construiu 70 km de ciclovias, a mesma quantidade que havia antes, e instalou 18 estações de aluguel de bikes, que na maioria dos casos circulam pelas vias exclusivas. Aluguel é modo de dizer, porque elas são de graça.

No aumento do número de pessoas usando as bikes contribui decisivamente o sistema de aluguel de bicicletas. Foram 26.300 inscrições, com 201.500 viagens desde o lançamento, em dezembro passado. São 620 bicicletas amarelas, como as da foto, nas18 estações distribuídas por um circuito que percorre Buenos Aires de norte a sul, leste a oeste, passando por pontos importantes como Retiro, Constitución, Plaza Italia, Plaza Once, Puerto Madero, La Boca, Correo Central e Plaza de Mayo.

Segundo pesquisas, 54% dos que usam as bikes o fazem para trabalhar; 12% para estudar; 11,5% como esporte; 8,4% como lazer e 14,1% por outras razões.

Diz o subsecretário de Trânsito e Transporte de Buenos Aires, segundo a reportagem:

"Os números mostram que se está dando um importante passo para uma mudança cultural na capital, apoiado por numerosas empresas que incentivam o uso da bicicleta como meio de transporte, criando estacionamento para elas e promovendo sua utilização".

O serviço de alguel das bicicletas é gratuito e funciona de segunda a sexta, das 8h às 20h, e aos sábados, de 9h a 15h. As bikes ficam disponíveis para quem se registra no sistema, ou pela internet ou nas estações.
Bacana demais, né?

Nenhum comentário:

Postar um comentário