Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 11 de julho de 2011

David Byrne ataca na Flip modelo urbanístico 'insustentável'

David Byrne ataca na Flip modelo urbanístico 'insustentável'
Músico escocês, ex-Talking Heads, promoveu livro 'Diários de bicicleta'. Quem esperava ouvir falar sobre música, recebeu aula de cidadania.

Quem esperava ouvir o escocês David Byrne falando na Flip sobre música e os tempos de Talking Heads recebeu uma aula de urbanismo e cidadania. Byrne participou de mesa intitulada "Tour dos trópicos" na tarde deste domingo (10), último dia da Festa Literária de Paraty.

É que ele promove o livro "Diários de bicicleta", relato de suas viagens por variadas cidades do mundo a partir da perspectiva de um ciclista convicto, que começou seus passeios sobre duas rodas nos anos 1980, em Nova York.

"O livro que fiz não é sobre bicicletas", disse Byrne logo no começo de sua palestra. Ele trata de como o modelo atual de urbanismo, em sua opinião, é insustentável. O escocês promove a opinião de que as bicicletas podem ajudar a solucionar esse problema.

"Quanto mais pessoas andam de bicicleta, o número de acidentes com ciclistas diminui", falando sobre o que costuma ouvir sobre São Paulo, considerada uma cidade perigosa para se andar de bicicleta.

Otimista, o ex-Talking Heads disse ainda sobre a capital paulista: "São Paulo tem potencial, é mais verde do que se pensa."

Ao longo de sua fala, exibiu fotografias que tirou durante suas viagens. Mostrou o que chama de "áreas mortas" dos Estados Unidos. Conexões de rodovias, áreas abaixo de viadutos, que afastam as pessoas.

"Muitas dessas áreas deram lugar a estacionamentos. São áreas mortas, onde não há interação humana, não há esportes. E são venenosas, se espalham para regiões vizinhas também", disse.

Em seguida, mostrou exemplos na Europa de cidades em que, apesar de os automóveis não terem sido completamente banidos, as prefeituras tornaram mais difícil sua circulação, fechando ruas apenas para os pedestres. Elogiou Berlim e Amsterdã.

O especialista em urbanismo Eduardo Vasconcellos também participou da conversa, expondo a experiência de quem conhece o exemplo de um país em desenvolvimento. "Nós criamos cidades hostis. A elite precisa do automóvel para sobreviver. No governo, as pessoas têm automóveis. Naturalmente, os decisores optam pelas opções em favor do autómovel", disse.

Nenhum comentário:

Postar um comentário